O Silêncio

por Fabio Hernandez Caires Santana

Que o som do vento seja uma prece
aos versos que enterro como indigentes.
O dito não-dito que se desconhece,
cerrado na boca, sucumbe aos dentes.

Palavra calada é sombra aos ouvidos,
é silhueta da luz que a representa.
Até o silêncio tem seus artifícios,
blefa ao ser lido pelo que se inventa.

Anúncios